domingo, 10 de outubro de 2021

Scandal (Escândalo: A História que Seduziu o Mundo), de Michael Caton-Jones (1989)

Filme baseado em fatos reais, no escândalo Profumo de 1963 na Inglaterra.

Um osteopata bon-vivant inglês , Stephen Ward (John Hurt), fica encantado com uma jovem dançarina exótica, Christine Keeler (Joanne Whalley) e a convida para viver com ele. Ele apenas a serve de amigo e mentor. E através de seus contatos e festas, eles conhecem membros do Partido Conservador (do 1º Ministro Harold MacMillan) e arranjam encontros. 

Mais tarde, o caso de Christine Keeler com o Ministro da Guerra (John Profumo, vivido por um meio irreconhecível careca Ian McKellen), vira um escândalo, pois Keeler poderia ter estado, simultaneamente, envolvida com o capitão Yevgeny Ivanov, um adido naval soviético, potencializando o risco de segurança pública, haja vista que a época era ainda da Guerra Fria.

Keeler conheceu Profumo e Ivanov através de sua amizade com Stephen Ward.

A exposição do caso deu origem a boatos sobre outros escândalos, como as atividades de Ward, que tinha sido acusado de ofensas à moral. Percebendo que queriam torná-lo num bode expiatório pelos atos de outros, Ward ingeriu uma dose letal de comprimidos para dormir durante a fase final do seu julgamento, que o considerou como culpado de se aproveitar das vidas imorais de Keeler e da sua amiga Mandy Rice-Davies (Bridget Fonda).

Mais sobre o caso neste link: Caso Profumo – Wikipédia, a enciclopédia livre (wikipedia.org)

Houve várias tentativas por parte de muitos políticos de evitar que esse filme fosse feito, mesmo que o caso tenha ocorrido mais de vinte e cinco anos antes.

Sir Ian McKellen e Sir John Hurt receberam inúmeras cartas de vários membros do Parlamento, pedindo a eles que desistissem de participar do filme. Nenhum deles desistiu.

McKellen respondeu educadamente às cartas. Hurt as ignorou e disse a jornalistas que os políticos, que as enviaram, eram todos hipócritas, que estavam apenas ansiosos para evitar que a verdade fosse contada.

O marido de Joanne Whalley na época era Val Kilmer, que não quis que ela fizesse a cena de nudez. Harvey Weinstein contratou um dublê para a cena. Quando Joanne chegou ao set de filmagem, ele não ficou contente com a dublê que arrumaram e resolveu fazer a cena ela mesma.

A canção "Nothing Has Been Proved", que é tocada sobre os créditos finais, foi composta especialmente para o filme pelo grupo Pet Shop Boys.  

Link para o filme:

https://youtu.be/DIDxhgm70eg



Nenhum comentário:

Postar um comentário