domingo, 11 de abril de 2021

Prisioneiro do Remorso (The Prisoner), de Peter Glenville (1955)

Um cardeal (Alec Guinness) é preso por traição contra o seu país. O filme não esclarece qual país, qual cidade e quando.

Como Príncipe da sua Igreja e um herói popular do seu povo, pela sua resistência aos nazistas durante a guerra e depois pela sua resistência quando seu país cai sob o domínio de um conquistador totalitário. Na prisão, seu interrogador (Jack Hawkins) está determinado a conseguir uma confissão de culpa do cardeal de forte resistência e depois destruir seu poder ante seu povo. As batalhas psicológicas e verbais são dramáticas e nem com as crescentes pressões sobre o cardeal conseguem enfraquecê-lo, nem mesmo sendo colocado em uma solitária, sob forte luz na sua cela, sem poder dormir, tudo para fazê-lo enlouquecer. Ao passar do tempo, o prisioneiro vai acabar criando um tremendo sentimento de pena por parte do seu interrogador.

O filme foi considerado controverso demais e foi banido de exibição nos Festivais de Filme de Veneza e Cannes.

Filme é baseado em peça de teatro de Bridget Boland e ela participou no roteiro do filme. Alec Guinness repetiu o papel do cardeal, que ele tinha feito no teatro em 1954. Este filme foi um ano depois do seu famoso papel como Padre Brown.

Guinness e Jack Hawkins iriam trabalhar juntos novamente no clássico, “A Ponte do Rio Kwai”, em 1957.

O filme foi criticado como sendo anticatólico na Itália. Foi curiosamente chamado de pro-comunista na Irlanda e anticomunista na França. Mas foi indicado a 5 prêmios BAFTA, o que prova sua qualidade.

Dizem que seu papel como Padre Brown e neste como cardeal foram um grande passo para Guinness se converter ao catolicismo.

Este filme foi supostamente baseado na vida real do Cardeal Mindszenty, que não gostou muito do filme.

Veja abaixo link para o filme legendado em português:

https://1drv.ms/v/s!AsG-jsm3UF0agT5RylxuicBdLzzP


segunda-feira, 5 de abril de 2021

O Moço da Filadélfia (The Young Philadelphians), de Vincent Sherman (1959)

Começamos com um prólogo. Em 1924, um mulher, vinda da classe pobre, Diane Brewster (como Kate Judson) se casa um homem rico, Adam West como Bill Lawrence. Na lua de mel , ele diz  a ela que não consegue amá-la. Aparentemente, porque não consegue ter relações com ela. Ela vai chorar suas mágoas com Brian Keith, que faz Mike Flanagan, a quem ela inicialmente havia rejeitado por ser pobre. E acaba sendo tendo relações com ele. Embora Flanagan queira se casar com a viúva Diane, ela quer que seu filho cresça com as vantagens de ter o sobrenome Lawrence.

Depois, saltamos para o presente, onde vemos o aluno de Princeton, em 1947, Paul Newman, como Tony Lawrence, trabalhando para a empresa de construção de Mike Flanagan. Tony quer se formar em Direito. Um dos empregados da construção tem uma discussão acalorada por um acidente de carro com a linda Barbara Rush (como Joan Dickinson). Tony fica ao lado dela, provavelmente porque ela é mais bonita que o grandalhão Leonard Bremen, e eles se apaixonam. Contudo, o pai rico de Joan é John Williams (como Gilbert Dickinson) e não aprova o pobretão do Tony. É um tipo novelão, com o protagonista tentando subir na vida.

Quem rouba as cenas é o colega de Tony, Robert Vaughn, como Chet Gwynn. Ele bebe demais e é acusado de assassinato. Chet quer que Tony advogue para ele. Vaughn recebeu indicação para Melhor Ator Coadjuvante. Também foi indicado ao Globo de Ouro.

O filme, para os padrões de hoje, está datado. Mas para a época, em final do anos 50, conta com vários assuntos sérios, como homossexualidade, filho fora do casamento, adultério, suicídio e alcoolismo. Vale pelo bom diretor e atores.

Com Paul Newman, Barbara Rush, Brian Keith, Adam West e Robert Vaughn.

Veja abaixo link do filme com legendas em Português.

https://1drv.ms/u/s!AsG-jsm3UF0agT2hg16572r2x2ES?e=u2kCDm