quinta-feira, 15 de junho de 2017

Produtoras de Argentina e Brasil juntas em série de animação para TV "King of the Worlds"

Uma co-produção entre a Caramba Estudio da Argentina e Split Studio do Brasil foi formalizada para criarem uma série de animação para a TV chamada "King of the Worlds" ou "Rei dos Mundos".

Criada por Ariel López Verdesco e com produção executiva de Marilina Sánchez, "King of the Worlds" será apresentada no Festival Internacional de Animação Amnecy (veja site aqui: https://www.annecy.org/home).

A animação de 11 minutos e 52 episódios, para crianças de 7 a 11 anos, focaliza em Bruno, uma criança comum com um dom extraordinário: A habilidade de viajar o mundo das coisas do dia a dia, junto com o amigo Rocky e a irmã Juana.

Cada mundo que eles visitam irá trazer uma nova missão: Salvar aquele mundo da destruição, proteger de uma invasão e ajudar os habitantes a ficar livre de problemas.

Planejada para estrear em 2019, "King of the Worlds" terá sua pré-produção, direção geral e roteiros preparados na Argentina, enquanto que a produtora Split Studio, do Brasil, vai ser co-autora dos roteiros, direção e pós-produção, de acordo com Marilina Sánchez da Caramba Estudio.

"A cooperação com o Split Studio é extremamente importante para nós, pois é um aliado com concepções similares de projeto, e o Brasil oferece muitos incentivos e modelos de financiamento. Sem eles, seria muito difícil encaminhar uma produção," disse ela.

"Até onde eu sei, nunca existiu uma série de animação para TV com uma co-produção de Brasil e Argentina, apenas parcerias de serviços. Gostaria que houvesse mais, a partir de agora," disse ela.

Ainda acrescentou: "A animação latino-americana está crescendo muito, com projetos bastante interessantes. Há interesse dos países da América Latina em gerar acordos e projetos de cooperação."

No Festival Annecy, a Caramba Estudio vai apresentar "King of the Worlds" para potenciais compradores e co-produtores da Europa.

Fonte: Variety.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Peça "Indecent", ganhadora de dois Tonys, encerra apresentações na Broadway


A peça dramática "Indecent", de Paula Vogel, que ganhou dois Tonys na cerimônia de domingo passado, vai encerrar suas apresentações após a matinê de 25 de junho no Cort Theatre, em Nova York. Houve ao todo 79 apresentações. É a terceira peça a anunciar o encerramento após o Tony 2017, assim como as peças "Six Degrees of Separation" e "Sweat".

Criada por Paula Vogel e pela diretora Rebecca Taichman, "Indecent" focaliza um grupo de atores, o elenco de "God of Vengeance", de Sholem Asch, que arriscaram suas vidas e carreiras para fazer uma peça, que alguns a criticaram por ser uma blasfêmia, e situada na Europa pós Segunda Guerra Mundial e nos Estados Unidos. A peça estreou no Teatro Vineyard (sem fins lucrativos) no ano passado e foi transferida para a Broadway, após grande aclamação dos críticos.

A peça tem música composta por Lisa Gutkin e Aaron Halva, que se apresentam no palco junto com os demais do elenco. A produção é coreografada por David Dorfman. Cenografia de Riccardo Hernandez, figurino de Emily Rebholz, iluminação de Christopher Akerling, som de Matt Hubbs e desenho de projeção por Tal Yarden. Foi indicada também ao Tony por Melhor Peça, mas ganhou pela direção de Rebecca e pela iluminação de Akerling.

Paula Vogel ganhou o prêmio Pulitzer de 1998 (pela peça "How I Learned to Drive", ou como Aprendi a Dirigir) fez a sua estreia na Broadway com "Indecent".

"Estamos orgulhosos e honrados pela oportunidade de levar "Indecent" para a Broadway pelos talentos notáveis de Paula Vogel, Rebecca Taichman e o elenco de artistas e assistentes," disseram os produtores da peça, Daryl Roth, Elizabeth McCann e Cody Lassen, no anúncio do encerramento da temporada. "Indecent" tocou os corações do público que experimentaram a magia desta peça no Teatro Cort nos últimos três meses e esperamos que continue assim, quando for apresentado em teatros por todo o país, Canadá e no exterior. "Indecent" é uma peça típica para o teatro e estamos gratos pelos grandes momentos que tivemos com ela.

Durante o tempo em que a peça esteve fora da Broadway (o que eles chamam de off-Broadway), obteve o prêmio Obie para a diretora Rebeca Taichman e o prêmio Lortel pela Coreografia (David Dorfman).

Segue um pouco da história desta peça. Uma jornada de paixão de "God of Vengeance" até "Indecent".

1907
O autor Sholem Asch conta seu nova peça "Got fun Nekome" (God of Vengeance" ou "Deus da Vingança") para o fundador da moderna literatura iídiche, I. L. Peretz. Este fica incomodado por considerar que a peça representa mal a piedade ou a devoção religiosa judaica. Ele recomenda que Asch "a queime". "Got fun Nekome" estreia em São Petersburg e Moscou, onde é aclamada, e depois em Nova York, onde os jornais de esquerda defendem a sofisticação audaciosa da peça, enquanto que os jornais mais tradicionais a deploram por estimular estereótipos anti-semitas.

1914
Com a eclosão da 1ª Guerra Mundial, Sholem Asch deixa a Europa e ruma aos EUA. Depois da guerra, ele visita a Europa e fica chocado com a destruição das comunidades judaicas.

1921
As leis americanas reduzem drasticamente o número de imigrantes permitidos a entrar no país, vindos do leste e sul da Europa.

1921-22
Um movimento para evitar que haja peças maliciosas no palco ganha força contra peças populares da Broadway.

1922
A tradução para o inglês de "God of Vengeance" por parte de Issac Goldberg, estreia no teatro Provincetown Playhose de Nova York, antes de passar para um teatro maior, o Greenwich Village Theatre.

1923
Em 19 de fevereiro, "God of Vengeance" estreia na Broadway no Apollo Theater. A cena apaixonada na chuva é cortada pela produção, mudando a relação das mulheres de uma de amor para apenas uma de manipulação.

Em 6 de março, em meio a uma apresentação, uma autoridade policial informa ao elenco e produtores que eles foram indiciados por obscenidade. Na manhã seguinte, a companhia de teatro paga fiança e volta ao teatro em tempo para a matinê.

Em 23 de maio, a companhia vai a julgamento e é declarada culpada. O veredito é invalidado por uma apelação.

1924
A leis de imigração apertam ainda mais. A Sociedade para os Direitos Humanos é fundada como sendo a primeira organização nos EUA que busca a igualdade para homossexuais. A polícia faz pressão e fecha a entidade.

1926
O estado de Nova York aprova a Lei Wales Padlock, que proíbe peças de "lidar com o assunto da degeneração ou perversão sexual." Esta lei, não declarada inconstituicional até 1976, declara que os personagens LGBT têm que ser tratados como símbolos do mal, corrupção e do vício.

Inícios dos Anos 40
"Got fun Nekome" é executada no Guetto de Lodz (cidade no centro da Polônia), onde moram cerca de 160.000 judeus, isolados do mundo.

1942
Sholem Asch
Oficiais nazistas discutam a polêmica "Solução Final para o Problema Judaico" e inicia-se a expulsão ou expatriação forçada dos judeus. Em resposta, Sholem Asch proíbe futuras apresentações da sua peça.

1943
Sholem Asch é o primeiro escritor iídiche a ser indicado ao Prêmio Nobel.

1973
A dramaturga Paula Vogel, então uma estudante de 22 anos, formada pela Cornell University, lê a peça "God of Vengeance" ante a sugestão de seu professor.

1997
Enquanto era estudante primeiranista da escola de Artes Dramáticas de Yale, a diretora Rebecca Taichman, descobre a peça "God of Vengeance" e escreve depois sua tese sobre o julgamento da obscenidade.

2010
Rebecca Taichman chama Paula Vogel para colaborar na peça sobre esse julgamento da obscenidade que, mais tarde, viria a ser "Indecent".

2013
"Indecent" começa um projeto de produção no centro experimental teatral do Instituto Sundance.

2015-16
A estreia mundial de "Indecent" é feita no Teatro de Repertório de Yale, seguida de uma produção no La Jolla Playhouse. "Indecent" começa na Off-Broadway no Teatro Vineyard.

2017
"Indecent" estreia no Cort Theater, na Broadway, 94 anos depois da estreia da Broadway de "God of Vengeance".
   

Veja abaixo um vídeo com a autora, Paula Vogel, explicando o enredo de "Indecent": 




E aqui abaixo um pequeno clip com cenas da peça:





segunda-feira, 12 de junho de 2017

Lista dos Ganhadores do Tony 2017 deste Domingo 11 de Junho

Abaixo a lista dos ganhadores:

Melhor Musical
Dear Evan Hansen

Melhor Atriz em Musical
Bette Midler

Bette Midler, por Hello, Dolly!

Melhor Ator em Musical
Ben Platt, por Dear Evan Hansen

Melhor "Revival" ou Nova Versão de um Musical
Hello, Dolly!

Melhor Peça
Oslo, de J.T. Rogers

Melhor Coreografia
Andy Blankenbuehler, por Bandstand

Melhor "Revival" de uma Peça
August Wilson’s Jitney

Melhor Diretor/a de Musical
Christopher Ashley, por Come From Away

Melhor Diretor/a de um Peça
Rebecca Taichman, por Indecent

Melhor Livreto ou Roteiro de um Musical
Dear Evan Hansen, de Steven Levenson

Melhor Música e/ou Letras escritas para o Teatro
Dear Evan Hansen Música e Letras por Benj Pasek e Justin Paul

Melhor Orquestração
Alex Lacamoire, por Dear Evan Hansen

Melhor Atriz Coadjuvante em Musical
Rachel Bay Jones em Dear Evan Hansen

Melhor Atriz em uma Peça
Laurie Metcalf, por A Doll’s House, Part 2

Kevin Kline
Melhor Ator em uma Peça
Kevin Kline, por Present Laughter

Melhor Iluminação de um Musical
Bradley King, por Natasha, Pierre & The Great Comet of 1812

Melhor Iluminação de uma Peça 
Christopher Akerlind, por Indecent

Melhor Ator Coadjuvante em Musical
Gavin Creel, por Hello, Dolly!

Melhor Ator Coadjuvante em Peça
Michael Aronov, por Oslo

Melhor Atriz Coadjuvante em uma Peça
Cynthia Nixon, por The Little Foxes

Melhor Cenografia de uma Peça
Nigel Hook, por The Play That Goes Wrong

Melhor Cenografia de um Musical
Mimi Lien, por Natasha, Pierre & The Great Comet of 1812

Melhor Figurino de Musical
Santo Loquasto, por Hello, Dolly!

Melhor Figurino de uma Peça
Jane Greenwood, por The Little Foxes

Em próximos posts, vou falar um pouco sobre as peças ganhadoras do Tony de 2017 e também sobre aquelas que foram esnobadas ou nem indicadas, como por exemplo, "The Front Page".


Fonte: Deadline

domingo, 11 de junho de 2017

Resumo do que vai acontecer na cerimônia do 71º Tony deste Domingo.

Kevin Spacey vai apresentar a cerimônia de premiação da Broadway, o Tony 2017, no Radio City Musical Hall, Nova York , televisionada neste domingo (11/6) pela CBS.

Ele fará sua estreia como apresentador. Muito embora ele seja conhecido por estrelar em filmes ganhadores do Oscar, Spacey tem um currículo importante em apresentações no palco. Em 1991, ele ganhou um Tony pela peça "Lost in Yankees" e também estrelou em produções de "Long Day´s Journey into the Night", "The Iceman Cometh" e "Richard III". Ele também serviu como diretor artístico do teatro Old Vic de Londres por mais de uma década.

A cerimônia vai começar às 8h00 da noite (horário da costa leste dos EUA), o equivalente a aproximadamente 11 horas no Brasil. Antes da cerimônia, haverá o tradicional tapete vermelho com a cobertura da entrada dos participantes pela CBS.  

Indicações
Não há um evidente bicho papão de prêmios nesta noite, depois de "Hamilton" no ano passado. Isso significa que a cerimônia de 2017 vai ser bastante competitiva. Liderando nas indicações, com 12, está a peça "Natasha, Pierre & the Great Comet of 1812", uma ópera pop, recontando um capítulo do livro "Guerra e Paz", estrelando os indicados Josh Groban, Denee Benton e Lucas Steele. É seguida por nove indicações dadas ao visceralmente emocional "Dear Evan Hansen", estrelando o indicado Ben Platt como um estudante colegial deprimido, preso em uma mentira que adquire vida própria na mídia social. Há também "Come From Away", que relata a vida real de como um pequena cidade em Newfoundland hospedou milhares de visitantes inesperados de aviões que foram desviados devido ao pânico no 11 de Setembro, que conseguiu sete indicações, assim como "Groundhog Day", estrelando Andy Karl no papel feito Bill Murray no cinema sobre o homem do tempo Phil Connors em uma pequena cidadezinha do interior da Pensilvânia.

O mais indicado das novas peças é "A Doll´s House, Part 2" com oito indicações (quatro para todo o elenco principal). Tem como estrela, Laurie Metcalf como Nora, a heroína proto-feminista do drama de 1879 de Henrik Ibsen (em português, A Casa das Bonecas), que volta 15 anos depois de ter largado o marido e os filhos. 
Um outro que disputa é "Oslo", um suspense político de J. T. Rogers, sobre o os nove meses das negociações secretas de paz, que depois levaram aos Acordos de Oslo, entre israelenses e palestinos.

"Hello, Dolly!", o musical estrelando Bette Midler no papel título, é o favorito na categoria de musical "revival" com dez indicações. E dois espetáculos estão empatados com seis indicações cada um na corrida para peças "revival": "The Little Foxes", de Lillian Hellman, com as indicadas Laura Linney, Cynthia Nixon e Richard Thomas e "Jitney", de August Wilson, com um elenco liderado por John Douglas Thompson.

Apresentadores e Participações
Leslie Odom Jr. e Cynthia Erivo, ambos ganhadores em 2016, vão se apresentar na cerimônia desta noite, assim como as meninas do Radio City Rockettes. Também haverá participações dos elencos dos musicais de "Bandstand", "Come from Away", "Dear Evan Hansen", "Falsettos", "Grounding Day", "Hello Dolly!", "Missa Saigon", "Natasha, Pierre & The Great Comet of 1812" e de "War Paint".

Em todo o decorrer do show, haverá participações e apresentações de Scott Bakula, Sara Bareilles, Orlando Bloom, Rachel Bloom, Stephen Colbert, Brian d’Arcy James, Tina Fey, Sutton Foster, Josh Gad, Whoopi Goldberg, Jonathan Groff, Mark Hamill, Taraji P. Henson, Christopher Jackson, Allison Janney, Scarlett Johansson, Anna Kendrick, Keegan-Michael Key, Nick Kroll, John Legend, John Lithgow, Patina Miller, Lin-Manuel Miranda, John Mulaney, David Oyelowo, Chazz Palminteri, Sarah Paulson, Lea Salonga, Tom Sturridge, Tommy Tune, Olivia Wilde, além dos indicados ao Tony 2017, Sally Field, Josh Groban, Bette Midler e Ben Platt.

E finalmente, conforme anunciado pela produção do Tony, James Earl Jones (a voz de Darth Vader), ganhador por duas vezes do Tony, por "Fences" e "The Great White Hope", irá receber o prêmio Tony por sua carreira no teatro.


Fonte deste post: The Hollywood Reporter.


sábado, 3 de junho de 2017

Tudo sobre a série "The Deuce" com Maggie Gyllenhaal e James Franco em breve na HBO

Maggie Gyllenhaal à esquerda
A nova série dramática da HBO, "The Deuce" dos mesmos produtores das séries "The Wire" e "Treme", George Pelecanos e David Simon, transporta os espectadores para Times Square em Nova York, de volta à glória do início dos anos 70.

A série, protagonizada pelos atores Maggie Gyllenhaal e James Franco, focaliza um grupo de prostitutas, cafetões, atendentes de bar, policiais e outros transgressores tentando ganhar a vida nas ruas lotadas de lixo de Nova York. "Deuce" mais profundamente explora o crescimento da moderna indústria pornográfica (embora o primeiro episódio não lide com o negócio de filmes de sexo explícito), A primeira exibição do piloto da série foi feita em evento no Festival Split Screens, que vai até 8 de Junho no IFC Center.

Abaixo tudo que a revista Variety (fonte deste post) pôde apurar da exibição e perguntas para Gyllhenhaal e a diretora Michelle MacLaren, moderadas pelo diretor de programação do festival, Matt Zoller Seitz.

1. A prostituição é muito parecida com atuar. Gylllenhaal faz uma prostituta de rua chamada Candy, que veste uma peruca loura encaracolada, quando trabalha. Fora desse trabalho, ela é uma mulher de cabelos castanhos chamada Eileen e quem tem um garoto. "Todo o sexo que você vê ela fazer - é um desempenho," disse Gy (para abreviar). Esse fato é levado para casa em uma cena no fim do episódio, no qual Eileen explora seu desejo mais profundo." De repente, há um alívio depois de toda aquela performance," disse ela.

2. A diretora MacLaren é conhecida pelo seu trabalho em "Breaking Bad", "Game of Thrones" e "Westworld." "Deuce" tem algo em comum com essas séries, mesmo que seja estilisticamente bem diferente. "Eu acho muito interessante, quando os personagens parecem ser uma coisa na superfície e o que descobrimos quando elas são dentro de si," disse ela.

3.Gy fez o seu trabalho de casa. Uma das especialistas sexuais que ela consultou, quando pesquisava sobre o trabalho, era um ex-prostituta e atriz pornô, Annie Sprinkle. "Ela ajudou com dicas muito simples," disse Gy. "Com quantas pessoas você transava por noite, o que você fazia se estava muito frio." Gy também foi ver uma filmagem de filme pornô em Los Angeles, tendo sido convidada por um ex-ator de filmes adultos, que estava ajudando nos trabalhos da filmagem. "Eu peguei algumas informações de bastidores lá," disse ela, dizendo que a filmagem dos filmes pornôs é mais lenta do que parece."

4. A lista de filmes requeridos, para serem vistos como parte do trabalho, incluíam clássicos dos anos 70 e ambientados em Nova York: "Caminhos Perigosos", "Taxi Driver", ambos com Harvey Keitel e Robert De Niro, "Shaft", "Os Viciados" com Al Pacino e "Operação França", com Gene Hackman. 
"E depois havia os filmes pornôs. "Eu achava que já tinha visto filmes pornôs. Mas os pornôs dos anos 70 eram melhores," disse Gy. MacLaren acrescentou a perspectiva de diretora às observações de Gy. Não há muito fantasia e enredo acontecendo nos filmes de hoje - apenas as ações explícitas dos atores," disse MacLaren. "Eles não tentam tornar melhor do que parece."

5. Gy é uma produtora de "Deuce", um cargo que ela exigiu não por vaidade, mas como uma segurança. "Eu queria alguma espécie de garantia de que eles queriam não apenas a parte física, mas também a parte psicológica," disse ela. Ela sabia da reputação dos criadores Simon e Pelecanos, que conseguiram em suas séries na HBO, mas ela não conheciam nenhum dos dois antes de "Deuce". Nós não nos conhecíamos: o risco era grande." disse ela. "Eu quero ser uma produtora. Eu quero ser parte da criação das estórias e tudo o que acontece com essa mulher."

6. A sua exigência valeu a pena. Ela elogia Pelecanos e Simon por conseguirem ter com eles uma relação de muita confiança e respeito." Ela até os convenceu em algumas discordâncias sobre detalhes do seu personagem.

7. A maior parte das sequências em Times Square foram, na verdade, filmadas em um bairro de dois quarteirões em Washington Heights perto da 164th Street e Amsterdam Avenue. Os produtores conseguiram decorar esses quarteirões com a imagem de Nova York dos anos 70 e tiveram a liberdade de usar tecnologia de efeitos especiais para tirar das cenas os traços dos dias atuais. Filmar uma série no passado em Times Square hoje seria quase impossível, disse MacLaren. "Você não pode dizer para 10 milhões de pessoas: Poderiam sair do caminho e levar os carros com vocês?", disse ela.

8. Uma cena, envolvendo um personagem que é um estudante da Universidade de Nova York (NYU), foi filmada em parte na 14th Street - até que o controlador de trânsito da cidade, que estava designado para o filme, teve uma emergência de família e não conseguiria chegar até o local da filmagem. Sem a habilidade para controlar os carros entrando e saindo da filmagem, as cenas tiveram que ser filmadas em dois locais diferentes. "Vocês vão perceber que há árvores em um parte da cena e não na outra," disse MacLaren. Quando o público na exibição disse que não percebeu isso, MacLaren ficou aliviada. "Faz parte da magia do cinema," disse ela.

9. Gyllenhaal leu os roteiros para os primeiros três episódios, antes de aceitar fazer o personagem. Ela notou uma mudança definitiva no ritmo da série, quando eles chegaram ao episódio 4. "Então, eu senti que eles estavam escrevendo para mim, respondendo ao que eu estava fazendo," ela disse. "Realmente, houve uma mudança após o episódio quatro, quando o roteiro começou do zero comigo."

10. "Deuce" está cheio de atores da série "Wire", incluindo Gbenga Akinnagbe, Lawrence Gilliard Jr., Chris Bauer, Anwan Glover e Michael Kostroff.

A série deve estrear nos EUA em Setembro, pela HBO.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

A Netflix compra direitos de exibição da comédia britânica "Amar Akbar & Tony"

A Netflix adquiriu direitos internacionais para a comédia britânica "Amar Akbar & Tony" de Kino Lorber, de acordo com a revista Variety.

O filme, de 2015, dirigido por Atul Malhotra, tem no elenco Rez Kempton como um Sikh, Sam Vicenti com um muçulmano e Martin Delaney como um católico irlandês. Situada na Londres de hoje, o trio - que são amigos de infância - encaram mudanças não previstas em suas vidas, como casamento inter-racial, acidentes quase fatais e a prisão, que acabam testando a longa amizade entre eles e os valores familiares.

A Netflix vai distribuir o filme internacionalmente em Junho e em DVD nos Estados Unidos. O filme, produzido por Victoria Barrell e Malhotra, é descrito como o primeiro filme ocidental a mostrar um Sikh como protagonista. O título é uma homenagem ao filme de 1977 de Bolly wood, "Amar Akbar Anthony", que focalizava a reunião de três irmãos separados.

"Amar Akbar & Tony" também conta no elenco com Karen David, Laura Aikman e Amrita Acharia (a Irri da da 2ª temporada de "Game of Thrones").

Rez Kempton também poderá ser visto no mais recente filme de Tom Cruise, "A Múmia", Já Delaney estrelou "Truque de Mestre: 2º Ato".

Os filmes de Malhotra incluem "Ross Kemp on Guns", "The Big Experiment", "Breaking Magic".

"Amar Akbara & Tony foi primeiramente mostrado no Festival de Filmes de Mumbai, no Festival The Hague de Filmes da Índia e no Festival de Filmes MISAFF do Canadá. 


Fonte: Variety




sexta-feira, 26 de maio de 2017

Peter Jackson revela arte conceitual do seu filme "Mortal Engines"

Peter Jackson, o nosso já conhecido diretor da trilogia "Senhor dos Anéis", revelou a primeira imagem do seu novo filme "Mortal Engines", uma adaptação para o cinema do primeiro dos quatros livros do quarteto de Philip Reeve. O livro focaliza uma versão futurista de Londres, agora um enorme e complexo mecanismo se esforçando para sobreviver em um mundo com recursos em esgotamento.

O elenco para o filme fantasia inclui Hugo Weaving ("Senhor dos Anéis" e "Hobbit"), Robbie Sheehan (da série "Fortitude" e de "Tempestade: Planeta em Fúria"), Ronan Raftery ("Animais Fantásticos e Onde Habitam"), Hera Hilmar ("Da Vinci´s Demons), Stephen Lang ("Avatar"), a cantora e atriz sul coreana Jihae, Leila George, Colin Salmon e Patrick Malahide (o Balon Greyjoy de "Game of Thrones).

Situado em um mundo a muitos milhares de anos no futuro, "Mortal Engines" inicia com as cidades da Terra agora vagueando pelo mundo em enormes rodas, devorando uma a outra em uma luta, devida à cada vez maior falta de recursos. Em uma dessas enormes cidades, chamadas de Traction Cities, Tom Natsworthy (feito por Robbie Sheehan) tem um encontro inesperado com uma misteriosa jovem de "Outlands", que irá mudar o curso de sua vida para sempre.

Jackson e Fran Walsh obtiveram os direitos de filmagem para "Mortal Engines" há vários anos. Eles escreveram juntos o roteiro com a colaboração de Philippa Boyes (da trilogia do Senhor dos Anéis e Hobbit). O filme será dirigido por Christian Rivers. Ele já trabalhou com Jackson por mais de duas décadas como artista de "storyboard", em efeitos visuais e como diretor assistente na trilogia do Senhor dos Anéis. Ele ganhou o prêmio da Academia por Efeitos Especiais em seu trabalho com "King Kong", embora este agora seja seu primeiro de trabalho na direção. A Universal Pictures será a distribuidora do filme no mundo.

"Mortal Engines" vai estrear em Dezembro de 2018, pelo menos nos Estados Unidos e Inglaterra.
Certamente pela data, a Universal vai querer o filme disputando os prêmio da Academia.


Um pouco sobre o Livro de Philip Reeve. Para quem ainda não leu o livro e que vamos esperar do filme. Se não quer ver possíveis "spoilers", não leia:

O livro se situa em um mundo pós apocalíptico, destroçado por uma grande guerra denominada, "Sixty Minute War", ou Guerra dos Sessenta Minutos", que acabou causando enorme malefícios geológicos. Para fugir desses malefícios, ou seja, terremotos, vulcões e outras instabilidades, um líder nômade, chamado Nikola Quercus, instalou enormes motores e rodas em Londres e capacitando-a para desabilitar  (ou engolir) outras cidades em busca de recursos. A tecnologia rapidamente se espalhou e se desenvolveu no que é chamado de "Darwinismo Municipal". Embora o planeta vai se tornando mais estável, o Darwinismo Municipal se espalha para grande parte do mundo, exceto Ásia e parte da África. Muito conhecimento tecnológico e científico foi perdido durante a guerra. Devido ao fato de que o progresso científico tenha se estacionado, a "Velha Tecnologia"  é altamente valorizada e recuperada por arqueologistas e pesquisadores. A Europa, uma parte da Ásia, norte da África, Antártica e o Ártico são dominados pelas "Traction Cities" ou "Cidades-Tracionadoras" , enquanto que a América do Norte foi tão destroçada pela guerra que, muitas vezes, é identificada por o "continente morto" e o resto do mundo é a fortaleza da "Liga Anti-Tracionamento" (em uma tradução livre), que procura evitar que as cidades tracionem umas às outras e parar o consumo intenso dos poucos recursos ainda existentes do planeta.

Londres é a Cidade Tracionadora principal do livro, que volta aos padrões da sociedade vitoriana. A sociedade de Londres é dividida em diversos Conselhos ou Associações, sendo quatro maiores e outros menores. Os Engenheiros são responsáveis pela manutenção das máquinas necessárias para a sobrevivência de Londres, muitas das quais são encontradas pela Associação dos Historiadores. Os Historiadores ficam a cargo de guardar e preservar esses artefatos perigosos e altamente valorizados.Os Navegadores são responsáveis pela navegação propriamente dita e gerenciar a rota de Londres. Os Mercadores ficam a cargo de gerir a economia de Londres. Londres é oficialmente administrada por um Prefeito eleito. O senhor prefeito é Magnus Crome, que também é chefe da Associação dos Engenheiros. Como em muitas Cidades Tracionadoras, Londres é construída em uma série de camadas, que encoraja o sistema de classes sociais, com os nobres mais ricos no topo da cidade e as classes mais pobres na parte inferior, próxima ao barulho e poluição da enormes máquinas de propulsão da cidade.
No ponto mais alto da cidade, fica a Catedral de Saint Paul: a única construção que sobreviveu à Guerra dos Sessenta Minutos.

O livro começa com a cidade de Londres perseguindo uma cidade chamada Salthook para tracioná-la. Tom Natsworthy está na parte central de Londres quando isso acontece, junto com o chefe dos Historiadores, Valentine (que será feito por Hugo Weaving) e da filha deste, Katherine. Uma das cidadãs de Salthook, Hester Shaw, tenta matar Valentine, mas Tom interfere e vai atrás dela. Ela revela ter uma grande cicatriz no rosto e diz que foi devido a Valentine, antes de saltar de Londres em um paraquedas. Tom diz a Valentine tudo que ela disse e Valentine os derruba. Eles acabam acordando não mais em Londres, e depois de um discussão, partem para seguir a pista da cidade.
Katherine começa a investigar os acontecimentos em Londres, junto com Bevis Pod, que se tornam amigos. Eles descobrem que a associação dos engenheiros em Londres conseguiu salvar uma antiga arma, chamada Medusa e a consertam dentro da Catedral de St. Paul. A arma é depois usada para destruir uma grande cidade que está ao encalço de Londres.
Enquanto isso, Tom e Hester encontram uma piloto de uma nave, chamada Anna Fang (vai ser interpretada pela sul
Jihae
coreana Jihae), que os leva para cidade voadora de Air Haven. Contudo, eles são depois atacados por um humano semi-robô, chamado Shrike, que foi enviado atrás deles pelos engenheiros de Londres. Tom e Hester acabam escapando para outra cidade com Shrike os perseguindo. Eles ficam sabendo que Anna Fang 
participava da Liga Anti-Tracionamento, o grupo que é contra as Cidades Tracionadoras. Depois de muitos encontros, eles são confrontados por Shrike de novo, que quase mata Tom. Shrike, que cuidara de Hester no passado, antes de vir para Londres, explica que os engenheiros concordaram em ressuscitar Hester como um ser semi-robótico igual a ele, depois que ele trouxer de volta o corpo dela. Ela concorda com isso. contudo, Tom intervém apunhalando Shrike no peito, desligando-o e salvando a vida dela.

Com Medusa sendo finalmente lançada, o prefeito começa a guiar Londres em direção à Liga Anti-Tracionamento. A intenção dele é usar a arma para destruir as defesas da Liga e devorar todas as suas habitações. Katherine sabe por Valentine que a arma foi originalmente encontrada pela mãe de Hester, e que ele a matou para roubar a arma para Londres. Ele também admite que Katherine é provavelmente a meia irmã de Hester. Desiludida e assustada com o poder destrutivo da arma, Katherine e Bevis conspiram para colocar uma bomba em Medusa a fim de evitar que ela seja usada.
Enquanto isso, Anna Fang, tendo testemunhado o primeiro disparo de Medusa, leva Tom e Hester para a Liga Anti-Tracionamento, para avisar sobre os planos de Londres. A Liga decide então usar suas naves para bombardear Londres, para desespero de Tom. Antes que eles consigam, Valentine acaba sendo revelado que está na Liga, infiltrado como um monge e, a despeito de Tom tê-lo reconhecido e tentado tocar o alarme, Valentine consegue desabilitar toda a frota de naves.
Valentine duela com Anna Fang e a mata, antes de escapar em sua própria nave. Tom e Hester pegam a nave de Fang e voam para Londres, na esperança de parar Valentine e Medusa. Katherine e Bevis são pegos tentando colocar uma bomba em Medusa, mas os Historiadores os ajudam, lutando contra os Engenheiros. Tom e Hester chegam, mas ela é capturada e ele atacado pela nave espacial pessoal de Valentine. Bevis is morto, mas Katherine chega à Catedral com a bomba. Lá dentro, ela vê Hester sendo trazida perante Valentine. Quando ele tenta matá-la, Katherine salta no caminho e ferida fatalmente. Ela cai sobre um teclado, interrompendo a sequência de disparo de Medusa.
Valentine e Hester, brevemente pondo as suas diferenças de lado, tentam levar Katherine para Tom para conseguir ajuda, mas ela morre antes.
Hester deixa Tom na nave, enquanto Valentine escolhe ficar para trás em Londres. Medusa acaba explodindo por mal funcionamento e acaba com a maior parte da cidade. Hester tenta confortar Tom pelas perdas enquanto viajam na nave, aparentemente sendo os únicos sobreviventes do acidente.


Fonte :ComingSoon.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Netflix vai estrear "Okja" em Cannes e estará disponível no canal em Junho/17

A Netflix liberou o trailer oficial para o filme "Okja", de Bong Joon Ho, que terá estreia mundial no 70º Festival de Cannes.

Dirigido por Bong Joon Ho ("Expresso do Amanhã" ou "Snowpiercer), o filme original da Netflix tem elenco com Tilda Swinton, Paul Dano, Giancarlo Esposito e Jake Gyllenhaal, dentre outros.

Por 10 anos , a jovem Mija (An Seo Hyun) tem sido a cuidadora e companheira constante para Okja - um enorme animal , um cãozinho amigo com proporções de um hipopótamo - em sua casa nas montanhas da Coreia do Sul. Mas isso muda, quando uma empresa multinacional, a Mirando Corporation toma Okja para si e leva para Nova York, onde a sua diretora, Lucy Mirando (Tilda Swinton), obcecada por promoção e pela imagem, tem planos maiores para o caro amigo de Mija (calma! provavelmente será pronunciada como "maija").

Sem um plano específico e muito inocentemente, Mija vai em busca do animal, mas sua jornada já complicada, torna-se mais ainda, quando ela cruza caminho com grupos de capitalistas e consumidores, cada um lutando para controlar o destino de Okja, enquanto que Mija quer apenas levar o amigo para casa.

Misturando gêneros como humor, sentimentalismo e drama, Bong Joon Ho começa com a premissa mais pura - a ligação entre o ser humano e o animal - e depois cria uma visão distinta e multifacetada do mundo ao abordar o lado animal dentro de todos nós,

Okja deve estar disponível na Netflix em 28 de junho.

Veja o trailer oficial abaixo:




Fonte: ComingSoon


segunda-feira, 15 de maio de 2017

Ben Kingsley vai estrelar adaptação da trilogia de livros "Intrigo", de Hakan Nesser

Ben Kingsley
Benno Furmann e Tuva Novotny também estarão no elenco do filme, baseado na trilogia best-seller do escritor sueco Hakan Nesser. "Intrigo" marca a estreia de Daniel Alfredson (diretor de "Jogada de Mestre", ou "Kidnapping Mr. Heineken") em um filme de longa metragem.

Os livros, individualmente sendo filmados, são intitulados "Death of an Author", "Dear Agnes" e "Samaria". São localizados em um país indefinido no norte da Europa, onde costumam se passar as estórias de Nesser. Os três filmes compartilham a mesma psicologia e estrutura narrativa, lidando com segredos obscuros e ocultos, destinados a aparecerem, e com os conceitos de culpa, vingança e perdão. Os filmes serão todos filmados em inglês.

A filmagem de "Death of an Author" deve começar esta semana na Sérvia, Eslovênia, Croácia e Bélgica. Imediatamente, segue a filmagem dos dois outros filmes. Todos os três devem estar finalizados ao final de Agosto. A estréia nos cinemas do primeiro filme está prevista para o final de 2018.

Os três filmes serão apresentados a potenciais compradores no mercado de Cannes, que começa em 17 de Maio.

Hakan Nesser
"Hakan Nesser é admirado por milhões de leitores por todo o mundo com suas intrigas envolventes, acontecendo em Maardam," disse Rick Dugdale, um dos produtores. "Com a trilogia de filmes de longa metragem, nós escolhemos um conceito único e extraordinário para levar esse mundo misterioso para as telas do cinema."

Thomas Friedl, outro produtor, acrescentou: "Filmar e colocar todos os três filmes em bloco sob a marca "Intrigo" é uma abordagem nova e audaciosa, para atrair o público além de cada um dos três filmes e vai abrir novos caminhos a direitos de exploração para nós e nossos distribuidores." 

Os livros de Nesser já passam de 20 milhões de cópias no mundo e foram traduzidos em mais de 30 línguas. O primeiro livro, Intrigo, será publicado no mundo no próximo ano.
Dois livros foram publicados no Brasil: "A Rede" e "A Mulher Marcada".
Que podem ser vistos aqui, na Amazon Brasil:
https://goo.gl/CG03B8 (A Rede)
https://goo.gl/xAeIzz   (A Mulher Marcada)


Fonte: THR

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Antonio Banderas será Ferruccio Lamborghini em filme biográfico com Alec Baldwin como Enzo Ferrari

Antonio Banderas e Alec Baldwin
De acordo com a revista Variety, a produtora Ambi Media Group contratou Antonio Banderas para estrelar no papel do magnata Ferruccio Lamborghini em filme sobre sua vida. Alec Baldwin viverá Enzo Ferrari, seu rival.
Michael Radford ("O Mercador de Veneza", "Elza & Fred") vai dirigir o filme a partir de um roteiro de Bobby Moresco ("Crash: No Limite", "Esquina da Morte").

Andrea Iervolino e Monika Bacardi da produtora, Ambi Group começaram com o desenvolvimento do filme em 2015, obtendo os direitos de filmagem, baseando-se no livro "Ferruccio Lamborghini: La Storia Ufficiale", escrita pelo filho dele, Tonino Lamborghini. 

A produtora planeja filmar "Lamborghini" na Itália, assim como em locais ao redor do mundo. O filme tem o título inicial de:"Lamborghi - A Lenda".

Tonino Lamborghini disse, "Meu livro 'Ferruccio Lamborghini: La Storia Ufficiale' é a única fonte que respeita perfeitamente a vida real do meu pai, a despeito de numerosas ficções e boatos escritos por outras pessoas, em busca de um momento de fama. Eu realmente acredito que este filme pode traduzir, em imagens e palavras, o grande senso de humanidade de Ferruccio e transmitir à audiência do mundo todo a personalidade do meu pai: um homem cheio de energia, carisma e paixão."

O filme vai seguir o início da carreira de Lamborghini como fabricante de tratores, criador de veículos militares durante a 2ª Guerra Mundial e desenhista dos carros Lamborghini, que ele lançou em 1963 como a companhia de carros esportivos Automobili Lamborghini. Ele acabou vendendo seus interesses automobilísticos no final dos anos 70. Comprou uma fazenda e virou fabricante de vinhos. Faleceu em 1993, aos 76 anos.

Mais sobre Ferruccio Lamborghini nessa biografia resumida da Wikipedia:

Ferruccio Elio Arturo Lamborghini (Renazzo di Cento, 28 de abril de 1916 — Perugia, 20 de
fevereiro de 1993) foi um industrial italiano, conhecido principalmente por ter fundado uma marca de automóveis de grande luxo que carrega o seu nome. Filho de fazendeiros, fundou em 1948 a Lamborghini Trattori, que rapidamente se tornou uma importante fabricante de equipamentos agrícolas em meio da reforma econômica pós-guerra da Itália. Em 1959, ele abriu uma fábrica de aquecedor a óleo, Lamborghini Bruciatori, que mais tarde passou a produzir equipamentos de ar condicionado. Em 1963, criou a que viria a ser sua mais conhecida empresa, Automobili Lamborghini, fabricante de carros esportivos de alto nível, em Sant'Agata Bolognese. Lamborghini fundou uma quarta empresa, a Lamborghini Oleodinamica em 1969. Ferrucio vendeu muitos de seus interesses no final da década de 1970 e mudou-se para uma propriedade em Umbria, onde passou a produzir vinhos.

1916
Ferruccio Lamborghini, primogênito de cinco irmãos, filhos de Antonio Lamborghini, proprietário agrícola na povoação de Renazzo, a norte da região de Bolonha (Itália), nasce em Cento, a 28 de Abril de 1916.

Depois de aprender a arte de trabalhar a terra e a maneira esforçada como na época as tarefas físicas exigiam, pela ajuda que cedo começou a dar a seu pai nas tarefas agrícolas do dia a dia, com apenas 14 anos decidiu ir à procura de emprego no ofício para onde mais pendia a sua inclinação profissional. E assim foi parar a Bolonha, onde arranjou colocação como aprendiz de mecânico na Casa Righi, onde recebia somente 15 liras por semana, pois na altura, em pleno "boom" do fascismo, as sanções impostas haviam abalado as pequenas indústrias.

1936
Em 1936, com 20 anos de idade e com bastante conhecimento na área mecânica, Ferruccio ingressou no serviço militar, tendo sido destacado para um centro de mecânica automóvel em Rodi, no qual teve ocasião de aprofundar uma série de conhecimentos sobre novas tecnologias aplicadas em motores diesel. Alcunhado pelos colegas como o "Pai Eterno", por resolver sistematicamente os problemas técnicos sem aparente solução, ingressou posteriormente na Força Aérea italiana, onde se inteirou das inovações técnicas deste setor em desenvolvimento.

1944
Como corolário da sua formação prática em mecânica, o autodidata beneficiou ainda do tempo em que trabalhou em motorizações de veículos bélicos, quando no ano de 1944, na condição de prisioneiro das forças militarizadas britânicas, foi obrigado a trabalhar como mecânico — conseguindo por fim acumular e atingir uma base preciosa de conhecimentos para o futuro destino industrial.

Ao regressar à sua terra natal, após o término da guerra, resolveu de imediato pôr em ação os seus ambiciosos planos de trabalho.

No pós-Guerra, o Estado italiano havia reunido, em campos fechados, muita sucata resultante das sobras de material bélico, que era vendido a peso a quem estivesse interessado. Lamborghini, que já havia catalogado mentalmente o que poderia aproveitar para o projeto que tinha em mente, juntando o material usado que lhe convinha realizou engenhosamente o seu primeiro veículo, a partir da escolha que fez nesses depósitos: um híbrido entre o trator e o automóvel, de velocidade lenta, a que chamou "Carioche". Uma vez concebido e melhorado, o "inventor" começa a construir de raiz o seu próprio "Carioche" e, dois anos depois (1948), já havia fabricado e colocado no mercado 500 unidades, que ao preço de 800 mil liras resultaram num lucro de 150 mil liras por cada "Carioche" vendido.

1949
Com base na experiência adquirida, no ano de 1949 nasce o primeiro trator genuinamente agrícola da autoria de Ferruccio Lamborghini: equipado com motor Morris da série 6C, de 40 cv, já com elevador hidráulico e outros requisitos de vanguarda para a época. O bem sucedido modelo, representa o marco da passagem da fase artesanal para a industrial. Confiante no empreendimento, e com a ajuda financeira do pai, o construtor comprou 1.000 motores Morris, obrigando-o a se deslocar de sua garagem improvisada para instalações melhores. Depois de esgotado o estoque dos mil motores comprados e com o modelo do trator desenvolvido, Lamborghini começa a montar motorizações de 20 a 50 cv MWM-Benz e, inicia a construção e montagem em série de caixas sincronizadas de 4 a 12 velocidades.

Com uma boa gestão empresarial aliada à qualidade reconhecida dos seus tratores nos principais mercados, os consequentes lucros levaram o construtor italiano a diversificar os investimentos, a partir de uma segunda fábrica, que fundou, dedicada à produção de ar condicionado e de equipamentos para aquecimento central. Ferruccio Lamborghini começa a aproximar-se dos homens mais ricos do país.

1954
Embora dispersando-se por outras atividades industriais, concentrando prioritariamente os seus interesses no negócio dos seus tratores agrícolas, em 1954 o fabricante italiano aumenta a sua gama de ofertas com os primeiros tratores de esteira da marca, de início equipados com motores MWM-Benz, e posteriormente equipados com motorizações próprias Lamborghini (1958). Os primeiros motores de concepção Lamborghini desta época motorizaram também os pequenos modelos de tratores de 22 cv, de 2 cilindros, conhecidos por "Lamborghinetta", que no fim dos anos 1950 surgiram no mercado para concorrer com os tratores da mesma classe: os "Piccola" da Fiat, os "Landinetta" da Landini e os "Sametto" da Same.

1962
Na continuação da pesquisa e desenvolvimento, como sempre orientou a gestão das suas empresas, Ferruccio Lamborghini introduz, em 1962, a versão da dupla tração na sua gama de tratores, o que acompanhando em evolução os seus concorrentes mais próximos, também contribuiu no aumento de sua já ampla cota de exportação, ao mesmo tempo que lhe permitiu situar-se no mercado doméstico na quarta posição de vendas, depois da Fiat, da Same e da OM.

Desde sempre apaixonado por automóveis, tendo começado a sua vida por alterar viaturas com aplicações "tuning" e chegado a construir, a partir de um Fiat "Topolino", um carro veloz com o qual concorreu na prova "Mille Miglia" (1948), começou a ter dinheiro de sobra e passou a comprar desportivos de luxo, reunindo na sua garagem Mercedes, Jaguar, Ferrari, entre outros. Para além do empenho que desde sempre dedicou ao setor de veículos agrícolas, a paixão por automóveis levou Ferruccio a construir, com o mesmo nome da marca dos seus tratores, o automóvel que se celebrizou com a designação de "Miúra", símbolo dos touros do mais conceituado criador de gado bravo espanhol Eduardo Miúra (1917) — lançando no mercado do setor de automóveis de luxo o primeiro Lamborghini, modelo "GTV 350" (apresentado no Salão de Turim de 1963).

1966
Um problema mecânico surgiu na Ferrari de Ferruccio, relacionado à um mau funcionamento da sua embreagem, e Ferrucio Lamborghini teve a oportunidade de reclamar pessoalmente ao engenheiro Enzo Ferrari na sua fábrica de Maranello. Lamborghini obteve como resposta: "Você não sabe nada sobre carros, o melhor que pode fazer é deslocar-se em seus tratores…". E, depois da avaria técnica da Ferrari ter sido solucionada pelo próprio Ferruccio através da adaptação de uma embreagem Borg & Beck que usava na fabricação de seus tratores, o construtor de tratores italiano resolveu transformar mais um dos seus sonhos em realidade. Ferruccio Lamborghini, que já havia mostrado interesse em fabricar um carro veloz desportivo com o seu nome, decidiu uma vez mais diversificar e ampliar o negócio do seu grupo empresarial, e deu início a construção de uma fábrica moderna e totalmente apetrechada, em Sant’Agata, curiosamente situada a poucos quilômetros da fábrica Ferrari de Modena, onde daí viria a ser lançado no mercado (1966), com desenho de Bertone, o famoso "Miura", provavelmente o melhor dos GT (Grand Turismo) daquele tempo, que se tem mantido como tal até os dias de hoje.

Entretanto, em plena crise generalizada no mercado mundial de tratores, o fabricante italiano recebe um rude golpe quando 5.000 dos seus tratores, prontos para embarcar para a Bolívia, ficaram retidos na alfândega e depois retornados à fábrica, impedimento motivado pela súbita morte do então Presidente da República do país. E a revolução local que em seguida teve lugar, deu origem à anulação da encomenda firmada, o que representou um prejuízo incalculável, que foi posteriormente minimizado pela ajuda preciosa que recebeu do seu amigo Gianni Agnelli.

Devido a seu contributo para a economia italiana enquanto industrial e empresário, Ferruccio Lamborghini recebeu o título de "Cavaliere del Lavoro", pelo Presidente da República de Itália, em 2 de junho de 1969.

1970

Em 1970, desmotivado com o atrás sucedido, numa altura onde na Itália as greves de trabalho e as conflitualidades sindicais eram uma constante, Ferruccio Lamborghini resolve descansar e viver dos muitos rendimentos de que já usufruía, vendendo seu projeto de automóveis a um grupo suíço, e os tratores, ao fabricante da Same. A marca de automóveis passou depois por diversos proprietários, incluindo a Chrysler, pertencendo atualmente ao grupo Volkswagen através da sua subsidiária Audi. Os tratores Lamborghini foram comprados nesse ano por Francesco Cassani.

Por esta altura Ferruccio nomeia Tonino, seu filho único do primeiro casamento, como gestor das suas restantes empresas, o qual, saindo ao pai se dedicou à multiplicação da herança recebida através da fabricação e comercialização de roupas com design Lamborghini, através de uma cadeia de lojas de luxo no Japão.

E voltando às suas origens ligadas à terra, Ferruccio compra uma propriedade que confina com o lago Trasimone, onde num enquadramento paisagístico e paradisíaco, constrói uma vivenda que dá o nome à propriedade — La Fiorita — a condizer em grandeza e bom gosto com o ambiente envolvente, constituído por uma plantação de vinha a perder de vista, implantada a conselho e por orientação dos melhores peritos em vitivinicultura. O vinho produzido, lançado no mercado mundial através da Feira de Verona, com garrafas expostas por cima de automóveis Lamborghini, foi apresentado ao público como "o generoso sangue dos Miúra", e se tornou sucesso absoluto. A produção desse ano e de anos seguintes obteve a média de 800 mil garrafas, que foi praticamente toda vendida para exportação a um preço alto.

Ferruccio Lamborghini casou-se novamente com Teresa, tendo com ela uma filha, Patrizia. Ferruccio Lamborghini, aos 60 anos de idade, passava os dias a viver a maior parte do seu tempo livre a olhar pela sua propriedade, afinando e reparando os seus tratores ou trabalhando com eles por distração, combinando, como passatempo, com os dias e as noites em que recebia, na La Fiorita, a nata da sociedade de Itália e do resto do mundo com quem sempre conviveu e esteve ligado por razões profissionais.

Como tributo à valiosa obra deixada pelo seu pai, Tonino Lamborghini mandou construir, com projeto do reconhecido arquiteto Diversi, em Imola (Ferrara), um museu aberto ao público com as principais e originais produções Lamborghini, como testemunho da contribuição dada à humanidade pelo autor, no que concerne à invenção e desenvolvimento de produtos ao serviço de causas tão nobres.

1993
Ferrucio Lamborghini faleceu em fevereiro de 1993, com 76 anos.


segunda-feira, 8 de maio de 2017

HBO Europa adquire pacote de dramas britânicos

De acordo com o site Variety, a HBO Europa adquiriu da All3Media International um pacote de  três dramas britânicos para transmissão a vários mercados europeus.
A HBO obteve direitos de televisionamento para Europa Central e Oriental, assim como service on demand para Dinamarca, Finlândia, Noruega, Suécia (administrado pela HBO Nordic) e Espanha para três minisséries de seis partes: "Clique", "Rellik" e "Liar".

"São três títulos diferentes, mas igualmente interessantes, que estamos entusiasmados em apresentar para nossos assinantes em todos os lugares," dise Ragnhild Thorbech, vice-presidente senior de programação e aquisições para a HBO Europa.

O 1 º deles é "Clique", criado por Brian Elsley para a BBC Studios e Balloon Entertainement. Ele foi o criador da série de TV, "Skins". Ele focaliza duas amigas de longa data, que sentem atraídas para o mundo sedutor e corrupto de um grupo de alpha girls (garotas que conseguem dominar outras garotas, usando habilidades para fazer os homens amá-las e causando ciúmes a outras garotas) em suas primeiras semanas na universidade. Veja foto acima. É produzido pela BBC Scotland e a BBC Three.

"Rellik", dos criadores Harry e Jack Williams (os mesmos criadores da série "The Missing"), tem como atores, Richard Dormer e Jodi Balfour de "The Crown" em uma estória de serial killer contada em reverso. Começa com o serial killer sendo pego e aí começa o drama contando o passado até o crime original. "Rellik" é produzido pela New Pictures e Two Brothers Pictures para a BBC One e a Cinemax em associação com a All3Media International.

Joanne Froggatt (Downton Abbey) e Ioan Gruffudd (Quarteto Fantástico) estrelam a minissérie "Liars", que está em produção pela ITV e Sundance TV (EUA). Ela é um suspense emocional, com uma pegada do século 21, sobre política de gênero, vida familiar e a corrosão insidiosa da enganação.

Stephen Driscoll, vice-presidente executivo da All3Media International, disse que o acordo foi uma "importante aquisição" por parte da HBO Europa, informando que foi um "testamento fantástico aos valores de personagens fortes, estórias e produção destes dramas recentes."


quinta-feira, 4 de maio de 2017

A BBC encomenda novas versões de "Guerra dos Mundos" e "Mulherzinhas"

A BBC encomendou 11 novos dramas sofisticados, incluindo novas versões para a TV de "A Guerra dos Mundos", "Mulherzinhas" e "Narciso Negro.". Os três títulos são adaptações dos livros clássicos a serem comissionados pela BBC Drama, que está atualmente em produção da adaptação em 4 partes do livro de E.M. Forster, "Retorno a Howards End" (veja foto acima), sendo filmado pelo ganhador do Oscar por "Manchester à Beira-Mar", Kenneth Lonergan.

Também estão na lista, a primeira adaptação para as telas do livro de 1993 de Vikram Seth, "Um Rapaz Adequado" e um drama em três partes, baseado em fatos verídicos, "A Very English Scandal", escrito por Russell T. Davies e dirigido por Stephen Frears.

Essas novidades da BBC foram divulgadas nesta quinta-feira em um evento em Londres, coordenado pelo diretor geral da BBC, Tony Hall e o novo controller da BBC Drama, Piers Wenger.

Parece que há um momento especial para o drama. O que me entusiasma é que eu acho que abalei todas as ideias preconcebidas sobre estórias com que as pessoas costumam se deparam," disse Hall, complementando que a BBC tem por objetivo fazer uma drama que transmita algo novo e diferente."

Preparando a visão da BBC par os próximos cinco anos, Wenger disse que ele quer a BBC Drama correr riscos maiores assim como se tornar uma "celebração em adaptações de autores ingleses, ter uma identidade e vida em todas as mais diversas formas."

Wenger disse que "muito do jeito inglês" que vai ser dado às produções da BBC Drama fornece uma "distinção" no mercado. "É a individualidade, a audaciosidade, uma visão e uma incansável curiosidade no coração da comunidade criativa da Grã Bretanha, que tem tido uma grande participação em transformar os dramas do Reino Unido em um valioso produto de exportação," disse Wenger.

Voltando para a BBC no ano passado, depois de quatro anos como Diretor de Drama do Canal 4, Wenger disse que o produtor deve ser menos preso a convenções de gênero, horários de televisionamento e canais. "Nós sabemos que os grandes riscos trazem os maiores sucessos, e em um cenário que muda rápido, as ideias precisam estar bem à frente da curva," disse ele.

Os produtores de "Victoria", sobre a Rainha Vitória, irão trazer uma nova adaptação ao clássico de ficção científica de H.G.Wells, "Guerra dos Mundos", para a BBC One. Adaptado por Peter Harness (o mesmo de "Jonathan Strange e Mr. Norrell"), a minissérie de três partes vai marcar a primeira adaptação para a TV britânica do livro que Harness chamou de "o ponto inicial de toda a moderna ficção científica." A filmagem deve começar no início de 2018.

Já Amanda Coe, que já ganhou um BAFTA por roteiro, vai dar atenção para a adaptação do livro "Narciso Negro" de Rumer Godden, anteriormente adaptado por Michael Powell no filme de 1947, estrelando Deborah Kerr. É a estória nos anos 30 de um grupo de freiras estabelecendo uma ramo da ordem na remota região do Nepal.

A criadora de "Call the Midwife", Heidi Thomas deve adaptar o clássico livro de Louisa May Alcott, "Mulherzinhas", sobre quatro irmãs em sua jornada da infância para a idade adulta. A produção, em uma minissérie de três partes, deve começar em Julho, sob a direção de Vanessa Caswill. 

Também na lista está um drama em oito partes para a BBC One e a Netflix, de Joe Barton, o criador do sucesso "Humans", da AMC e Channel 4 e vai contar a estória de um detetive de meia idade de Tóquio que viaja para Londres em busca de seu irmão mais novo, que está sendo procurado por assassinato. Wenger descreve o drama como uma "espécie de 'Encontros e Desencontros' ao contrário." A Netflix vai cuidar da transmissão da série fora do Reino Unido.

Outros títulos para a BBC One incluem "Informer", um suspense de seis partes de Sam Mendes e Pippa Harris; "Come Home", um drama de três partes situado na Irlanda do Norte do roteirista Danny Brocklehurst; e finalmente "The Wilsons", baseado na vida real da avó da atriz Ruth Wilson, que mostrará a ganhadora do Globo de Ouro interpretar sua própria avó em uma história situada entre Londres e Índia no século 20.

Wenger também anunciou um drama semi-autobiográfico em seis partes de Steven Poliakoff para a BBC Two, chamado "Summer of Rockets" e "Overshadowed", uma série em oito partes para a BBC Three.

Fonte: Variety.