sexta-feira, 17 de abril de 2020

Cinco Covas no Egito (1943) - Um Clássico do diretor Billy Wilder

"Five Graves to Cairo" é um filme de guerra feito pelo mestre diretor Billy Wilder.

Com roteiro de Charles Brackett e do próprio Billy Wilder.

O pano de fundo é a 2ª Guerra Mundial. Junho de 1942, com o exército britânico recuando após vitórias de Rommel no deserto, deixa apenas um sobrevivente na fronteira do Egito, o soldado John Bramble, que encontra refúgio em um remoto hotel no deserto e que logo vai se tornar um quartel general dos alemães. Bramble assume outra identidade, que pode ser arriscada. O convidado de honra é nada menos que o Marechal Rommel (vivido por Erich von Stroheim), que vai acabar dando indicações sobre sua estratégia secreta, com o nome de código "Cinco Covas".
Isso leva ao significado do título do filme "Cinco Covas para Cairo" ou "Cinco Covas no Egito", título original no Brasil. Na verdade, se referiam a cinco depósitos enterrados de combustível e suprimentos. O local secreto era identificável em cada letra da palavra Egito em um mapa do país, que foi secretamente estabelecido antes da 2ª Guerra para a preparação da invasão do Egito pela Alemanha.

Bastidores do filme conforme site IMDb.
Erich e Billy Wilder à direita
Erich von Stroheim insistiu muito em 'melhorar' seu próprio uniforme e teve permissão do estúdio Paramount para criar sua própria vestimenta, assim como seu cabelo e maquiagem. Ele estudou fotografias de Rommel e fez pedidos específicos para equipamentos, roupas e adereços. Estes incluíam óculos de campo alemães, uma câmera Leica de 35mm com filme verdadeiro dentro.Todos os itens tinham que funcionar de verdade.Von Stroheim dizia que sua atuação poderia ser prejudicada, se não contasse com itens verdadeiros. O diretor Billy Wilder chegou a questionar o ator sobre o filme que tinha dentro da câmera, pois não seria visto pelo público. Von Stroheim respondeu que o público sempre percebe se um adereço é genuíno ou falso. 

O tanque visto no começo do filme era um tanque americano e não um tanque inglês. Foi emprestado para a produção por uma base americana próxima. A produção tentou obter um inglês, mas a solicitação foi negada.

O filme utiliza elementos históricos da Segunda Guerra Mundial relativos à campanha militar no Norte da África, que eram assuntos correntes da época e tinha acontecido há poucos meses do momento da produção e estreia do filme

Para a primeira cena de Erich von Stroheim como o Marechal Rommel, o diretor Billy Wilder o fotografou em um 'close' por detrás do pescoço do ator. Wilder disse que ele, de pé com seu pescoço rígido em primeiro plano, poderia expressar mais do que quase qualquer ator com o próprio rosto.

Von Stroheim era um ídolo para Wilder. Veja mais a respeito de Stroheim aqui: https://www.infopedia.pt/$erich-von-stroheim
Logo que o ator chegou ao set de filmagem, o diretor correu até o camarim para saudá-lo. Ele disse. "Este é um grande momento na minha vida... que eu possa agora dirigir o grande Stroheim. O seu problema, eu creio, foi de que você esteve dez anos à frente do seu tempo. Von Stroheim respondeu, "Vinte anos".


Franchot, Anne e Erich
No filme, quando Rommel diz a Mouche (Anne Baxter) que o julgamento dela não seria conduzido sob a lei germânica a fim de que "mostrássemos a vocês que não somos os bárbaros que vocês imaginam de nós, mas de acordo com a sua própria lei, o Código Napoleônico. Isto foi, de acordo com Leonard Rubinstein em seu livro "Os Grandes Filmes de Espião", uma referência para o personagem Rauffenstein  feito por von Stroheim no filme "A Grande Ilusão" de Jean Renoir, de 1937.

Billy Wilder fez apenas dois filmes de guerra. Este e o o filme "O Inferno 17" (Stalag 17), de 1953, com William Holden. Ambos os filmes receberam três indicações ao Oscar. Cinco Covas no Egito recebeu indicações para cinematografia, direção de arte e edição. Stalag 17 recebeu para Diretor, Melhor Ator e MelhorAtor Coadjuvante.

Embora o local do filme seja a ficcional cidade egípcia de Sidi Halfaya, a cidade originalmente programada era para ser a cidade de Sidi Barani, que foi capturada pelo Afrika Corps de Rommel em 1941 e retomada pelos britânicos no ano seguinte.As cenas de deserto foram filmadas nas dunas perto de Yuma no Arizona. A filmagem também aconteceu na Califórnia, onde as cenas de batalha foram feitas, com a assistência de tropas do exército americano.

O cinematógrafo (que antes era denominado fotógrafo) do filme foi John F. Seitz e participou de outros filmes com Billy Wilder. Ambos examinaram em detalhe um grande número de fotos preto e branco dos locais reais mostrados no filme, inclusive fotos de batalhas, a fim de dar ao filme a melhor autenticidade. Este filme usou cenas reais de combate da Batalha de El Alamein.

Este filme de espionagem inspirou uma operação de espionagem real. O ator Miles Mander parecia tanto com o General Montgomery que a Inteligência Britânica tentou contratá-lo para servir de dublê de Montgomery  para uma missão de enganar os alemães sobre o local real da invasão do Dia D. Contudo, Mander era alto demais, assim eles encontraram um comediante australiano, M.E. Clifton James para se fingir de Monty. Eles enviaram o falso Monty (Montgomery) para Gibraltar para fazer os alemães pensarem que os britânicos iriam invadir pelo Sul da França, antes de atacarem o norte.


Anne Baxter e Franchot Tone
A maior parte dos soldados alemães foram feitos por atores alemães, com exceção de Rommel, que foi feito por Erich Von Stroheim, nascido na Áustria.
Todos os personagens do filme foram feitos por atores de várias nacionalidades diferentes dos seus personagens. O ator inglês, John Bramble, é feito por um americano, Franchot Tone. O marechal alemão Rommel é feito por um austríaco; o dono do hotel egípcio é feito por um russo (da Geórgia) Akim Tamiroff; a camareira francesa Mouche, feita pela americana Anne Baxter.

Anne faz a camareira francesa Mouche. Mouche seria uma corruptela de uma gíria em alemão para genitália feminina. Na verdade, Muschi é que seria a gíria. Mouche é uma palavra francesa, que pode significar espiã. 


Os alemães são feitos por atores alemães e falam com sotaque, exceto Stroheim, que havia emigrado da Áustria para os EUA na idade de 24 anos e seu sotaque aparece ocasionalmente. O ator Franchot Tone, que faz o militar inglês, é americano e fala com sotaque americano. Anne Baxter, que faz um francesa é americana, contudo tem um bom sotaque francês.

O diretor Cameron Crowe chegou a descrever este filme como o precursor da franquia de filmes de Indiana Jones.

A trilha sonora foi composta por Miklós Rózsa, ainda não tão famoso, mas atuando desde 1937.

Para finalizar, não deixem de ver a magnífica fotografia em preto e branco de Cinco Covas no Egito e com uma resolução espetacular de 1080p. Belíssimo para um filme de mais de setenta anos.
A razão da beleza do filme é que o filme foi feito com a técnica Chiaroscuro (literalmente, claro-escuro), um efeito de usar diferente tons de contraste claro e escuro.


Segue abaixo o link para baixar o filme:
https://odobagg-my.sharepoint.com/:v:/g/personal/moegtufwc_od_obagg_com/EXUJMXRJTClMlwn8pbcrTgwBWNwS_rGLATxmNn_vXTSw5g?e=bDlPaC

sexta-feira, 10 de abril de 2020

Week-End à Francesa - (Week end) de Jean-Luc Godard - 1967

Este filme do celebrado diretor francês, Jean-Luc Godard, está entre seus 10 melhores filmes.

Indicado a vários prêmios europeus, o filme conta a estória de um casal que faz uma viagem de carro para a casa dos pais da esposa com intenção de matá-los para ganhar a herança.

O filme mostra o retrato irônico e cruel de Jean-Luc Godard para o apocalipse da civilização ocidental através de acidentes de carro e ganância. Ele marcou um ponto de mudança em sua carreira. Depois deste filme, ele se voltou a um cinema político militante para o resto dos anos 60 e começo dos anos 70, seguindo algumas indicações introduzidas neste filme. Qualquer que seja o enredo, ele é lentamente desconstruído e desmontado durante a duração do filme, com um passeio de fim de semana de um casal burguês e cínico, feito por Mireille Darc e Jean Yanne que acaba se tornando um pesadelo de mortes surrealistas na estrada, briga de classes sociais, assassinato e política, ao passo que eles têm que encarar as consequências cada vez mais caóticas da ambição cega e do desejo por poder.
Lindamente fotografado em cenas longas, a mais famosa delas aquela que mostra um engarrafamento de trânsito, o filme parece defender a revolta do proletariado, até que ao final, a esposa burguesa se envolve com a Frente de Libertação do Sena e Oise, onde o enredo literalmente sublinha o lado canibal da política. Voltando ao tempo, muitos dizem que o filme "Week-End à Francesa", que estreou em 1967, pode ter anunciado os famosos protestos de Maio de 1968 em Paris e ter marcado o início da fase política de Godard. Ele pode ter sentido a mudança dos ventos e aproveitou essa mudança, para achar algo para desenvolver mais sua visão de cinema.

Curiosidades: 

O entretítulo antes da morte do porco lê-se "Thermidor", que é nome do mês, segundo A Revolução Francesa, em que Robespierre foi executado.

O personagem, Saint-Just, feito por Jean-Pierre Léaud, é baseado em Louis Antoine Léon de Saint-Just (1767 - 1794), um revolucionário francês e líder militar, aliado de Robespierre. Ele trabalhou com Robespierre no Comitê de Segurança Pública, se envolvendo com o Reino do Terror e executado no mesmo dia em que Robespierre. O personagem de Léaud recita de Saint Just o  'L'esprit de la Révolution et de la Constitution de la France', um texto fundamental da ideologia revolucionária.

A Facel era uma montadora de carros de 1954 a 1964. O carro deste filme é o modelo Facellia, um carro esportivo cuja versão foi produzida de 1960 a 1963. O Dauphine (que no Brasil se tornou o Gordini) era uma carro fabricado pela Renault, como o sucessor do Renault 4CV e deixou de ser produzido em 1967.

Este filme está incluso no "1001 Filmes que Você Deve Ver Antes de Morrer" de Steven Schneider;

Abaixo segue o link do filme:
https://odobagg-my.sharepoint.com/:v:/g/personal/moegtufwc_od_obagg_com/ERY6gTGbfRRDroKo9NdeI_0Bb1-6L1eIFrclJvBtlH_kbg?e=9shg7b

segunda-feira, 6 de abril de 2020

Amargo Pesadelo (Deliverance) 1972

Filme dirigido por John Boorman de 1972, antes de seus outros sucessos como "Zardoz" e "Excalibur".

O vale do Rio Cahulawassee no norte do estado da Geórgia nos EUA é um dos últimos locais virgens do estado, que logo vai sofrer mudanças com a construção de uma represa no rio, que por sua vez vai inundar uma boa parte da área em volta. Assim, quatro moradores da cidade de Atlanta, Lewis Medlock (Burt Reynolds), Ed Gentry (Jon Voight), Bobby Trippe (Ned Beatty) e Drew Ballinger (Ronnie Cox) decidem fazer uma viagem de canoa pelo rio, sendo que apenas Lewis e Ed tendo experiência nesse tipo de aventura. Eles sabem que a área é isolada, mas a viagem, que parecia tranquila, toma uma caminho ruim no meio da correnteza do rio e habitantes mal encarados da região. Os quatros lutam para sair do vale e se submetem a coisas que nunca pensaram antes.

Curiosidades:

Burt Reynolds quebrou o cóccix quando descia nas correntezas e a canoa virou. Originalmente, seria usado um boneco, mas parecia muito fake, como um boneco caindo em uma queda d´água. Quando Reynolds se recuperou, ele perguntou ao diretor John Boorman como tinha sido a cena. O diretor disse: “Como um boneco caindo em uma queda d’água.”


A cena do duelo dos banjos foi a primeira cena a ser filmada. O resto do filme foi quase inteiramente feito em sequência.Na verdade é uma cena com um garoto com um banjo e o ator Ronny Cox com um violão.


Em uma cena de canoa, o ator Ned Beatty foi jogado para fora da canoa e foi sugado por um redemoinho. Um assistente de produção mergulhou na água para salvá-lo, mas ele demorou para aparecer por trinta segundos. John Boorman perguntou a Beatty, “Como se sentiu?” e Beatty respondeu. “Eu achei que iria me afogar e o primeiro pensamento foi, como o John vai acabar o filme sem mim? E o meu segundo pensamento foi, “Eu aposto que o miserável vai achar uma maneira.”


Billy Redden não sabia tocar banjo. Para simular um toque realístico nas cordas durante o duelo de banjos, um outro rapaz, um especialista em banjo, tocava as cordas com o seu braço envolvendo o lado de Redden, enquanto esteve mexia. 
A despeito do seu personagem ser meio desajeitado, Ned Beatty era o único dos quatro que tinha alguma experiência com uma canoa antes da filmagens.


Este filme foi transformador para Burt Reynolds, levando-o de personagens de TV e de filmes B para o status de superstar. Burt, mais tarde, disse que este foi o melhor filme em que ele atuou.

Depois do filme, o turismo aumentou na região a dezenas de milhares. Em 2012, por volta de 2012, cerca de 40 anos depois do filme, o turismo era a maior fonte de renda no município de Rabun County. O ator dublê de Jon Voight, Claude Terry, após o filme comprou os equipamentos usados no filme da Warner. Ele fundou uma empresa para explorar canoagem turística no rio Chatooga. O filme foi quase inteiramente rodado nesse rio, que fica na fronteira entre Carolina do Sul e Geórgia.

Jack Nicholson aceitou fazer o papel de Ed, desde que Marlon Brando fizesse o Lewis. Mas os salários combinados dos dois ultrapassavam $1 milhão de dólares, a metade do orçamento do filme, forçando John Boorman a pegar atores mais baratos.

Durante a filmagem de cenas de canoa, o roteirista James Dickey apareceu bêbado e entrou em forte discussão com John Boorman, que havia reescrito o roteiro de Dickey. Eles passaram da discussão para briga de punhos e na qual Boorman acabou com o nariz quebrado e alguns dentes trincados. Dickey foi posto para fora do set, mas não houve processo contra ele. Os dois se reconciliaram e tornaram-se amigos, tanto que Boorman deu a Dickey o papel de xerife que aparece ao final do filme.

Donald Sutherland desistiu do papel de Ed, porque ele objetou pela violência do script. Mais tarde ele lamentou a decisão.

O filme não explica o seu título (Deliverance) que seria literalmente libertação, mas o livro, em que foi baseado, diz que o que os rapazes da cidade estavam tentando encontrar no mato era a libertação do estresse da vida moderna.


Jon Voight à esquerda e James Dickey
Burt Reynolds descrevia o roteirista James Dickey como “uma cara que quando tomava Martinis demais, você quer jogar uma granada na garganta dele.” Mas foi Dickey quem deu aulas de arco e flecha para Burt.

Sam Peckinpah queria dirigir o filme, mas depois que John Boorman já tinha asegurado os direitos do filme, Peckinpah fez “Straw Dogs”, em 1971, com Dustin Hoffman

Embora o “Duelo de Banjos” tenha ganho um Grammy de música original, ela foi escrita em 1955.

Filme está na lista dos “1001 Filmes que você deve ver antes de morrer”, criada por Steven Schneider.

De todos os atores principais e do diretor John Boorman, apenas Burt Reynolds é falecido em 2018. Os demais ainda estão vivos.

Veja abaixo link para o filme em alta resolução.
https://odobagg-my.sharepoint.com/:v:/g/personal/moegtufwc_od_obagg_com/Ef_7bTnBfzFHgY2ZJ88rQD8BGEopGqiqjWuC4LeTT48eqQ?e=PtTYsF