sábado, 3 de dezembro de 2016

O estupro em "Último Tango em Paris" não foi consensual

O diretor Bernardo Bertolucci de "O Último Tango em Paris", de 1972, confessou que ele e Marlon Brando conspiraram contra a atriz Maria Shneider, durante a cena de estupro, na qual o ator usou um pouco de manteiga, como lubrificante, para simular sexo. O diretor comentou sobre essa cena de estupro não consensual em uma entrevista de 2013, recentemente divulgada.

De acordo com Bertolucci, ele e Marlon Brando concordaram em não dizer Schneider o que iria acontecer a ela, porque ele queria que a reação dela fosse "de uma garota, e não de uma atriz." Ele disse que ele e Schneider, que faleceu em 2011, nunca se viram mais, depois do filme, porque ela o odiou.

Na entrevista, Bertolucci conta a origem da cena de estupro entre Brando, que tinha 48 na época, e Schneider, 19.

"Nós estávamos tomando café da manhã, no térreo do apartamento onde estava ocorrendo a filmagem," ele disse. "Tinha uma baguete e havia manteiga e nós olhamos um para o outro e, sem dizer nada, nós sabíamos o que queríamos."

Ele acrescentou, "De certo modo, eu agi mal com Maria, porque eu não disse a ela o que ia acontecer."

O diretor confessou que ele se sente culpado por não ter dito a ela sobre a manteiga, mas ele não se arrepende da decisão de ter feito a cena.

"Eu não queria que Maria atuasse a cena," ele disse. Eu queria que ela sentisse, e não atuasse, a raiva e a humilhação. Depois disso, ela me odiou pela vida inteira.

Antes da sua morte, Schneider falou sobre a cena em uma entrevista com o jornal inglês, Daily Mail, em que disse, "Eu me senti humilhada e para ser honesta, eu me senti um pouco estuprada, tanto por Marlon como por Bertolucci. Depois da cena, Marlon não me consolou e nem pediu desculpas. Ainda bem que foi apenas uma tomada de cena."

Marlon Brando, Bernado Bertolucci e Maria Schneider ao fundo.

Fonte: Variety

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.